Rádio Cenecista de Picuí

VÍDEOS, FOTOS E MATÉRIAS TAMBÉM NO INSTAGRAM

SITE OFICIAL DA PREFEITURA DE NOVA PALMEIRA

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Acusados de explodir caixas eletrônicos dentro de shopping são condenados, na PB

Caso aconteceu em janeiro de 2018, em Campina Grande. Sentenças de até 36 anos de reclusão foram proferidas pela Justiça Federal
Foto: Felipe Valentim/TV Paraíba 
Grupo atirou contra portas e janelas do shopping e fez reféns, em janeiro de 2018
Dos acusados de participar de um roubo a uma agência bancária situada no Partage Shopping, em Campina Grande, sete receberam sentenças de até 36 anos de reclusão cada, proferidas pela 4ª Vara da Justiça Federal no dia 28 de julho. As condenações foram divulgadas nesta quarta-feira (7) pelo Ministério Público Federal na Paraíba. No entanto, ainda cabe recurso da decisão.

O caso aconteceu na madrugada do dia 17 de janeiro de 2018, quando uma quadrilha fortemente armada invadiu o shopping, explodiu caixas eletrônicos, roubou uma joalheria e chegou a render um funcionário de uma empresa terceirizada, que fazia manutenção no prédio.

As condenações são resultado de uma ação penal ajuizada pelo MPF. Dos sete réus, seis foram condenados pela prática de roubo majorado, organização criminosa, disparo de arma de fogo e por utilização de arma de fogo de uso restrito. Já Thayronne Vanderlei foi denunciado e condenado apenas por organização criminosa. Veja abaixo a sentença estabelecida para cada réu.
  • Aldair Monteiro da Silva: 36 anos de reclusão e pagamento de 1.365 dias-multa;
  • Edvaldo Farias de lima Filho: 36 anos de reclusão e 1.365 dias-multa;
  • Israel Araújo Barbosa: 36 anos de reclusão e 1.365 dias-multa;
  • Hélio Lopes de Almeida: 36 anos de reclusão e 1.365 dias-multa;
  • Marcelo Diniz Balbino: 36 anos de reclusão e 1.365 dias-multa;
  • Wamberkson Costa de Macedo: 28 anos e 6 meses de reclusão e 1.050 dias-multa;
  • Thayronne Estevan Mendes Vanderlei: 7 anos e 6 meses de reclusão e 315 dias-multa.
O G1 não conseguiu entrar em contato com as defesas dos réus.

De acordo com o MPF, outras duas ações penais referentes ao assalto ainda tramitam na Justiça Federal. Uma delas, em face de Romário Gomes Silveira, conhecido como Romarinho, foi desmembrada do processo principal devido à fuga dele da Penitenciária de Segurança Máxima Romeu Gonçalves Abrantes, o PB1, após explosão do portão de acesso ao presídio, em 10 de setembro de 2018.

A outra ação é em face de Hilton Dias de Araújo, conhecido como "Gordo do Partage", preso no dia 22 de fevereiro deste ano, em Pernambuco, durante a Operação Perseverança.

Entenda o caso
No dia 17 de janeiro de 2018, por volta das 4h, um grupo de pessoas encapuzadas e com armas de fogo de uso restrito arrombou a entrada principal do shopping, usando um carro em marcha ré. Depois disso, cinco deles entraram no estabelecimento enquanto os demais ficaram do lado de fora. A ação foi registrada por uma câmera de segurança.

Depois de instalarem explosivos, que destruíram cinco terminais de autoatendimento, os suspeitos roubaram relógios de uma joalheria próxima ao local, efetuaram vários disparos de arma de fogo e fugiram pela BR-230, espalhando grampos na via pública.

G1 PB

Nenhum comentário:

Postar um comentário