Rádio Cenecista de Picuí

VÍDEOS, FOTOS E MATÉRIAS TAMBÉM NO INSTAGRAM

SITE OFICIAL DA PREFEITURA DE NOVA PALMEIRA

segunda-feira, 13 de abril de 2020

UFPB desenvolve ventilador pulmonar 37 vezes mais barato

De acordo com os inventores, a produção do aparelho é de aproximadamente R$ 400

Protótipo do novo ventilador pulmonar desenvolvido na UFPB
Foto: Divulgação/UFPB
A Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Iova-UFPB), desenvolveu um ventilador pulmonar com custo 37 vezes abaixo do praticado no mercado. O equipamento foi produzido em 48 horas e possui tecnologia touch-screen. Produzido no fim do mês de março, o equipamento foi protocolado no dia 1º de abril no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

Tecnologia de ponta
O ventilador pulmonar desenvolvido na UFPB é equipado com sistema multibiométrico e tem conectividade wireless. Inclusive é possível acessá-lo, monitorá-lo e operá-lo em tempo real remotamente por meio de aplicativo em dispositivos móveis (smartphones).

Custo baixo
O aparelho é de baixíssimo custo. De acordo com os inventores, a produção do aparelho é de aproximadamente R$ 400, ou seja, mais barato do que o equivalente desenvolvido na Universidade de São Paulo (USP); valendo destacar que o respirador mais barato no mercado custa aproximadamente R$ 15 mil.

Montagem
O equipamento também é de rápida montagem e programação, sendo possível concluir a montagem e deixá-lo plenamente operável em 60 segundos! Outro detalhe é que ele não é um respirador de emergência, podendo ser usado indefinidamente; ou seja, um substituto aos convencionais comercializados atualmente.

Fabricação
A equipe de pesquisadores e servidores da UFPB é responsável pelo pedido de patente, mas não pela fabricação, que deverá ser feita por empresa com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o aparelho ainda precisa passar por testes pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). Nesses últimos caso, acredita-se que em face da urgência as tramitações burocráticas, os testes sejam aceleradas.

Portal Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário