Rádio Cenecista de Picuí

VÍDEOS, FOTOS E MATÉRIAS TAMBÉM NO INSTAGRAM

SITE OFICIAL DA PREFEITURA DE NOVA PALMEIRA

sexta-feira, 26 de junho de 2020

‘Homem Pateta’ das redes sociais induz crianças ao suicídio, alerta polícia

Segundo as autoridades, esses perfis surgiram em 2017 em países de língua espanhola, sendo muito conhecidos no México. Recentemente, foi identificada uma migração para o Brasil

Foto: Reprodução
Um novo perfil nas redes sociais tem chamado a atenção das autoridades brasileiras por enviar desafios e mensagens que induzem crianças ao suicídio. Os suspeitos usam o pseudônimo “Jonatan Galindo” e se identificam com imagens que lembram o Pateta, personagem da Disney, de forma deformada.

O alerta aos pais, professores e responsáveis foi emitido pela Polícia Civil de Santa Catarina, o Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional (NIS) do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) e a Coordenadoria Estadual da Infância e da Juventude (Ceij).

Segundo as autoridades, esses perfis surgiram em 2017 em países de língua espanhola, sendo muito conhecidos no México. Recentemente, foi identificada uma migração para o Brasil.

“Esses perfis têm poucas postagens e desafiam as pessoas a segui-los e enviar uma mensagem privada. Feito isso, é só esperar o retorno deles, que se dá através do envio de mensagens, vídeos, áudios ou até mesmo de uma ligação por vídeo ao vivo. O conteúdo da resposta tem a intenção de causar desconforto, medo e, em alguns casos, tenta provocar o suicídio”, explica o agente da polícia civil Ivan de Souza Castilhos, integrante do NIS.

Os desafios do “Homem Pateta” se assemelham a de outros casos famosos no Brasil como o da Boneca Momo e da Baleia Azul.

Para a coordenadora das DPCAMIs (Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso) em SC, delegada Patrícia Zimmermann D’Ávila, o alerta é importante aos pais e responsáveis para que cuidem o que as crianças e adolescentes estão acessando na internet. “Você deixar um filho sozinho na internet é o mesmo que abandonar uma criança no meio da rua numa madrugada”, compara a delegada.

ISTOÉ

Nenhum comentário:

Postar um comentário