Rádio Cenecista de Picuí

VÍDEOS, FOTOS E MATÉRIAS TAMBÉM NO INSTAGRAM

sábado, 13 de junho de 2020

UFPB cria aplicativo que calcula risco de violência doméstica

Ferramenta foi criada pela pesquisadora Layza Deininger, em seu doutorado no Programa de Pós-graduação em Modelos de Decisão e Saúde

Uma pesquisadora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) desenvolveu um aplicativo com a função de calcular a possibilidade de uma mulher sofrer ou já ser vítima de violência doméstica.

Denominado de VCMulher, o software foi criado para possibilitar que profissionais da atenção básica prevejam e identifiquem possíveis vítimas de violência dentro de casa, auxiliando-os nas tomadas de decisão.

O software foi registrado pela Agência UFPB de Inovação Tecnológica (Inova) no final do ano passado. A autora do invento, a pesquisadora Layza Deininger, explica que o VCMulher, fruto do seu doutorado no Programa de Pós-graduação em Modelos de Decisão e Saúde, defendido em 20 de fevereiro, vai possibilitar melhor assistência às mulheres.

“O meu principal intuito foi ceder um instrumento para que os profissionais de saúde da atenção básica consigam prever o risco de uma mulher estar sofrendo a violência e oferecer melhor suporte”, afirma.

Para o cálculo, foram utilizados dados de um inquérito domiciliar realizado com mulheres maiores de 18 anos, utilizando como base dois questionários, um para inferir a qualidade de vida e outro para avaliar a violência contra a mulher.

As variáveis significativas foram obtidas por meio de modelo de redes neurais, responsável pela identificação de padrões, e de regressão logística múltipla, técnica estatística que tem como objetivo produzir previsões a partir de um conjunto de observações.

Dessa forma, utilizando as variáveis adquiridas, a probabilidade de uma mulher sofrer violência doméstica é calculada em baixa, média ou alta.

A pesquisadora justifica sua iniciativa pela necessidade de combater a subnotificação. “A maior parte dos casos de violência contra a mulher ainda é extremamente subnotificada e o serviço que está mais próximo a elas é a atenção básica”.

Conforme Layza Deininger, o invento é uma proposta com caráter inovador e tecnológico. “A gente patenteou e tem o intuito de ceder para a rede municipal ou estadual de saúde”, conta Laysa, que é enfermeira e professora universitária.

O número de denúncias de violência contra a mulher aumentou 105,6% no primeiro mês de isolamento social, na Paraíba, com relação ao mês anterior, de acordo com o aplicativo SOS Mulher PB, que permite que a usuária aperte um “botão de pânico” e acione a Polícia Militar imediatamente.

O período analisado pelo aplicativo SOS Mulher PB é de 21 de fevereiro a 21 de março e de 21 de março a 21 de abril. No primeiro mês de análise, foram 142 denúncias, saltando rapidamente, no mês de isolamento social, para 292 denúncias.

O aplicativo VCMulher, que futuramente poderá ser baixado em plataformas digitais, pode ser conferido e testado no endereço eletrônico desenvolvido para a inovação.

Portal Correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário