Rádio Cenecista de Picuí

VÍDEOS, FOTOS E MATÉRIAS TAMBÉM NO INSTAGRAM

SITE OFICIAL DA PREFEITURA DE NOVA PALMEIRA

sábado, 11 de julho de 2020

Justiça paraguaia rejeita recurso e mantém Ronaldinho Gaúcho em prisão domiciliar

A Quarta Câmara do Tribunal de Recursos indeferiu o benefício, tornando definitiva a decisão do juiz penal de garantias, Mirko Valinotti
Foto: Reprodução 
Ronaldinho Gaúcho
Ronaldinho Gaúcho sofreu uma nova derrota judicial nessa sexta-feira (10) com a rejeição de um recurso que a defesa apresentou para que o ex-jogador e o irmão, Roberto Assis, fossem liberados da prisão domiciliar, na qual estão desde abril por terem entrado no Paraguai com passaporte com conteúdo falso.

Com apenas dois cliques você fica fazendo parte da Família Blog NP, no Youtube: INSCREVA-SE

A Quarta Câmara do Tribunal de Recursos indeferiu o benefício, tornando definitiva a decisão do juiz penal de garantias, Mirko Valinotti, que em 6 de março negou um pedido inicial do Ministério Público para que Ronaldinho e seu irmão Roberto fossem favorecidos pelo “critério de oportunidade”, que livraria os brasileiros de processo em troca de colaboração com a justiça.

A Câmara declarou “inadmissível” a ação dos advogados do melhor jogador do mundo em 2004 e 2005, de acordo com fontes judiciais citadas pela mídia local. A decisão de Valinotti, baseada na comissão de uma suposta ofensa, foi apelada pela defesa dos irmãos um tribunal superior, que finalmente emitiu uma decisão nesta sexta-feira, quatro meses depois.

Em 7 de março, outra juíza de garantias, Clara Ruiz Díaz, ordenou a prisão preventiva de Ronaldinho e Assis no Grupamento Especializado da Polícia Nacional, em Assunção. O local recebe políticos processados por corrupção e prisioneiros com casos de tráfico de drogas após uma retificação pela Procuradoria Geral da República.

Os dois ficaram encarcerados até 7 de abril, quando foram levados para um hotel da capital, após o pagamento de fiança de US$ 1,6 milhão, e permanecem em prisão domiciliar desde então. Eles estão sob custódia policial e proibidos de sair do Paraguai, acusados de uso de documentos públicos com conteúdo falso, com uma pena que pode chegar a até cinco anos.

UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário